Razão e sensibilidade – Jane Austen

Apresentando um Trecho do Livro

“A família Dashwood havia longamente se estabelecido em Sussex. Seu patrimônio era grande, e sua residência, Norland Park, era um lugar onde, por muitas gerações, eles haviam vivido em uma respeitável e confortável condição. O último proprietário, um velho solteirão que viveu até uma idade avançada, foi um homem de caráter amável e generoso, e sua bondade para com os três sobrinhos, filhos de seu irmão, era um forte testemunho de sua afeição fraternal.

Ao morrer, ele deixou sua fortuna para o filho de seu sobrinho mais velho, o Sr. John Dashwood, que, de acordo com a tradição da família, herdou a propriedade de Norland. Ele não tinha, porém, a intenção de deixar desamparadas as viúvas e filhas de seu irmão, e recomendou ao Sr. John Dashwood, com a maior seriedade, que cuidasse delas e as ajudasse financeiramente.

— Meu caro John — disse ele —, prometo que você cuidará de suas irmãs e de sua madrasta quando eu me for. Elas não têm outra proteção além de você.

— Claro, meu tio — respondeu John. — Farei tudo o que puder para ajudá-las.

Mas, após a morte do velho cavalheiro, a esposa do Sr. John Dashwood, uma mulher egoísta e interesseira, começou a persuadir o marido a reduzir a ajuda prometida às irmãs. Ela argumentou que eles próprios precisariam de todo o dinheiro para manter seu estilo de vida e que as irmãs poderiam viver com muito menos.

Elinor, a filha mais velha, possuía um excelente coração; sua compreensão era forte, e seu julgamento, maduro. Ela tinha uma capacidade de autocontrole que a capacitava a ocultar suas próprias emoções e a suportar com firmeza as adversidades. Marianne, a segunda filha, era completamente diferente. Ela era sensível e apaixonada, e suas emoções eram sempre visíveis. Ela não conhecia moderação em seus sentimentos e era incapaz de esconder sua alegria ou tristeza.

As irmãs Dashwood, junto com sua mãe e a irmã mais nova, Margaret, foram forçadas a deixar Norland e se estabelecer em uma pequena casa em Barton Cottage, oferecida por um parente distante. Lá, elas enfrentaram novos desafios e encontraram novos amores, enquanto aprendiam a equilibrar razão e sensibilidade em suas vidas.”

“Razão e Sensibilidade” é um romance escrito por Jane Austen e publicado pela primeira vez em 1811. Este clássico da literatura inglesa narra a história das irmãs Dashwood, Elinor e Marianne, que enfrentam dificuldades financeiras e emocionais após a morte de seu pai. Através das experiências das irmãs, Austen explora temas como amorrazãosensibilidadeclasse social e casamento. Elinor representa a razão, sempre controlada e prática, enquanto Marianne personifica a sensibilidade, sendo impulsiva e emocional. A obra é uma crítica sutil às convenções sociais da época e uma análise profunda das relações humanas. “Razão e Sensibilidade” é uma leitura essencial para quem aprecia romances que combinam crítica social com histórias de amor e crescimento pessoal.

Categories:,
Autores

Customer Reviews

There are no reviews yet.

Be the first to review “Razão e sensibilidade – Jane Austen”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *