Deus no banco dos réus – C. S. Lewis

“Deus no Banco dos Réus” é uma coletânea de ensaios de C. S. Lewis, publicada postumamente em 1970. A obra reúne diversos escritos em que Lewis aborda temas teológicos e filosóficos, defendendo a fé cristã e examinando questões como a moralidade, a dor, o sofrimento, e a existência de Deus. O título do livro sugere a ideia de que a humanidade coloca Deus em julgamento, questionando Sua justiça e existência, mas Lewis inverte essa perspectiva, argumentando que são os seres humanos que devem ser julgados.

A regra de ouro da ética cristã é o amor. Mas o amor, assim como a moralidade, é uma exigência incondicional. Ele exige não apenas que ame o próximo, mas que ame a Deus acima de todas as coisas, e isso implica uma transformação radical de nossa vida. O amor ao próximo, que é o cumprimento da lei, é um reflexo do amor a Deus. O que Deus nos oferece é uma transformação completa, uma renovação da nossa mente e do nosso coração, que nos leva a amar o que antes odiávamos e a odiar o que antes amávamos.

Se Deus é bom, Ele deve amar todas as criaturas, e, se Ele ama todas as criaturas, deve odiar o que as faz sofrer. Ele odeia, portanto, o mal e a injustiça, e Sua ira é a expressão de Seu amor. A ira de Deus não é uma emoção irracional, como a ira humana; é a manifestação de Sua justiça e de Seu amor. Ele não é como um juiz humano, que pode ser parcial ou injusto; Ele é a própria justiça, e Sua ira é a expressão de Sua justiça.

A verdadeira questão, portanto, não é por que Deus permite o mal, mas por que Ele não nos destrói a todos imediatamente. A resposta é que Ele nos ama e deseja nossa redenção. Ele está nos dando tempo para nos arrependermos e nos voltarmos para Ele. Mas o tempo é curto, e devemos aproveitar a oportunidade enquanto ainda podemos.

Em última análise, a questão não é por que Deus permite o mal, mas por que Ele permite a nós, que somos os agentes do mal. A resposta é que Ele nos ama e deseja nossa redenção. Ele está nos dando tempo para nos arrependermos e nos voltarmos para Ele. Mas o tempo é curto, e devemos aproveitar a oportunidade enquanto ainda podemos.

Portanto, devemos colocar nossas questões e nossas queixas em perspectiva. Devemos lembrar que Deus não está no banco dos réus; nós estamos. E, se formos julgados com justiça, veremos que somos nós que merecemos a condenação, e que é somente pela graça de Deus que podemos ser salvos.

 

Category:
Tag:
Autores

Customer Reviews

There are no reviews yet.

Be the first to review “Deus no banco dos réus – C. S. Lewis”

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *